SEMPRE BRIOSA

Briosa... se jogasses no céu, morreria só para te ver jogar!

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2007

Noite de equívocos



Sporting, 2 - Académica, 1

Acabo de chegar de Alvalade, e venho com a clara sensação que saímos desta edição da Taça de Portugal, devido a uma série de equívocos cometidos esta noite em Alvalade.

Equívocos de Manuel Machado, porque apostou num sistema 3x4x3, o qual tem dado alguns bons resultados na Liga, mas jogar desta maneira em Alvalade, frente a um Sporting sedento de provar aos seus sócios o seu valor, podia ser suicidário. E foi, infelizmente!
Os leões tiveram um início de jogo verdadeiramente asfixiante, como era lógico (depois de terem passado a primeira metade do jogo com o Aves a dormir), os nossos jogadores estavam tão atordoados que demoravam a acordar, não acertavam nas marcações, deixavam-se antecipar, pelo que só assentaram jogo, quando o nosso adversário desacelerou.

E quando isso aconteceu, já tinham passado quase 45 minutos, já tínhamos sofrido 2 golos, pelo que foi infelizmente sem surpresa que o único remate da nossa parte, digno de registo, foi quase em cima do intervalo, e da autoria do jogador mais esclarecido da nossa equipa - Filipe Teixeira, claro!

Equívocos também de Jorge Sousa, nada que seja de estranhar em jogos do nosso clube, com um critério demasiado parcial, por demais evidente quando decidiu injustamente expulsar Vítor Vinha, já que este não fez falta intencional sobre Moutinho. Se a isso juntarmos a amostragem do cartão amarelo a Tonel, quando Gyano se isolava para a baliza de Ricardo, num lance onde se impunha o vermelho, está tudo dito sobre este artista do apito... Temos de ser claros e afirmar sem rodeios que a expulsão descabida de Vítor Vinha, o qual tinha substituído o lesionado Litos, esvaziou as nossas chances de fazer uma "remontada", e nisso Jorge Sousa foi muito hábil.

Apesar de todos esses equívocos e adversidades, para o segundo tempo, quando Manuel Machado operou as duas últimas substituições, algo mudou para melhor na nossa equipa. Jogando em 4x2x3x1 a Briosa passou a ser bem mais perigosa e os lances de perigo sucediam-se (finalmente!): Dame, com um remate à meia volta, Vítor Vinha, de meia-distância, e Brum, rematando forte contra o poste de Ricardo.

No entanto, e também relevando algumas oportunidades para os leões, o nosso merecido golo só surgiu já mesmo em período de descontos, através de um cabeceamento de Dame.

A pergunta que faço a mim próprio, ainda na ressaca desta derrota, é apenas esta: qual teria sido o desfecho desta eliminatória se não tivéssemos desperdiçado 45 minutos e se tivéssemos realmente sabido jogar com a intranquilidade e com o mau momento do adversário?

Nota final de elogio ao apoio que a nossa equipa esta noite recebeu em Alvalade.

0 comentários:

Enviar um comentário

<< Home